A importância de uma boa educação

POR Psicóloga Anny Caetano 21/09/2017

A educação da criança é um assunto que deixa muitos pais preocupados, principalmente aqueles de “primeira viagem”.

A educação da criança é um assunto que deixa muitos pais preocupados, principalmente
aqueles de “primeira viagem”. Criar um filho pode ser de certo modo fácil, difícil é educá-lo.
Trazer um filho ao mundo requer alguns cuidados especiais, é preciso um planejamento entre
o casal, pois agora a família irá aumentar e com ela os gastos se tornarão mais constantes, sem
contar em todo o desgaste físico e emocional principalmente nos primeiros anos da criança.
Vamos descrever aqui alguns tópicos que podem orientar aos pais quanto ao desenvolvimento
e educação de seu filho.
“A palavra ‘educação’ significa mais que um curso de estudos num colégio. A educação começa
com o bebê, nos braços da mãe. Enquanto a mãe está moldando e formando o caráter dos
filhos, ela os está educando”. Ellen G. White
Os seres humanos passam por processos de desenvolvimento desde a concepção. Freud, Erik
Erikson e Jean Piaget foram importantes teóricos que se dispuseram a estudar e descrever
fases distintas pelas quais a criança passa em seu desenvolvimento. Cada uma dessas fases é
definida pela região do corpo a que as pulsões se direcionam. Em cada uma surgem novas
necessidades que exigem ser satisfeitas; a maneira como são satisfeitas determina como a
criança se relaciona com outras pessoas e quais sentimentos ela tem para consigo mesma. A
transição de uma fase para outra é biologicamente determinada, de tal forma que uma nova
fase pode iniciar sem que os processos da fase anterior tenha se completado.
Para ter um desenvolvimento saudável a criança precisa de dois fatores, aquilo que é herdado
e o que é aprendido com o meio, por isso é tão importante o contato dela com os pais e sua
ida à escola para socializar-se e entrar em contato com pessoas diferentes como a professora e
os coleguinhas de sala.
Desenvolvimento humano é um processo de crescimento e mudanças a nível físico,
comportamental, cognitivo e emocional ao longo da vida. As crianças desde bebês necessitam
ter uma rotina bem planejada e organizada para o seu melhor desenvolvimento, conforto,
segurança e assim se sentirem livres do sentimento de estresse que uma rotina desestruturada
pode causar. A criança conquista através da percepção todo o universo que a cerca, sente
necessidade de explorar o espaço, porque é o momento em que o desenvolvimento da
habilidade de andar está no auge e a fala atinge uma verdadeira importância.
Punição x Educação
Muitos pais têm dúvida quanto à forma correta de educar e como dizer não. Vamos deixar
claro que não existe uma idade certa para se começar a dizer não, você pode utilizar gestos
para assimilação cognitiva, sons, entre outros recursos para facilitar a compreensão da criança
no que se diz respeito a essa palavra. Se você acha que fala muitos nãos ou não tem coragem
de negar o que seu filho quer, dê a ele alternativas, por exemplo, “Não come o biscoito agora,
coma a fruta”. Você não o proibiu de comer, mas deu algo para que comesse naquele
momento.
É inevitável falar não, mas é preciso que a criança saiba o porquê, dessa forma você ensina a
ela a maneira correta, além de corrigi-la com um simples “não, porque não”! Ela conseguirá
assimilar que a punição foi justa, pois fez algo que no momento não seria adequado. Você
pode inclusive perguntar a criança se ela compreendeu o motivo e pedir para que lhe fale.
Muitos pais trabalham muito mais do que passam tempo em casa com o filho, por isso sentem
maiores dificuldades em dizer não ou dar limites a criança por culpa de não estarem tão
presentes já que a rotina é tão exacerbada. “Se eu disser não vou ser chato, já não fiquei com
ele o dia todo, à noite vou ter que dar limite? SIM!! Você, pai e mãe, são responsáveis pela

educação e desenvolvimento do seu filho, a escola, os professores e outras pessoas próximas
podem ser um auxílio, mas a base principal vem dos pais.
Crianças sem limites quando crescem possuem dificuldade de relacionamento interpessoal, ela
terá probabilidade de apresentar comportamentos inadequados em grupos com outras
pessoas, não saberá respeitar o espaço do outro e possivelmente não saberá lidar com
frustrações de perdas e derrotas. Você deve disciplinar com afetividade e mostrar na sua
autoridade que você é o responsável pela criança.
Cabe aqui um alerta aos pais que punem demais os filhos. Todas as atitudes geram
consequências, sejam elas positivas ou negativas. Precisamos entender que a criança aprende
pela experiência, e nós já passamos por isso, é necessário empatia, se colocar no lugar do
outro e estabelecer acordos posteriores para que o ato não volte a ocorrer, mas sempre
explicando e mostrando o motivo do não ou da correção.
Outro aspecto que muitas vezes vemos e percebemos nas famílias é a Insegurança dos pais. Da
mesma forma que a criança busca ser amada, o pai quer ser amado (afeto), e isso acaba sendo
ilusão, limite também pode ser papel de proteção. A criança não vai deixar de amá-lo pela
correção que está dando, pelo contrário, no momento ela pode não entender os motivos, mas
quando crescer ela saberá reconhecer os esforços para mantê-la no caminho certo.
Para finalizar, gostaria de abordar um assunto que serve de alerta aos pais que tem criança
pequena em casa. Tenho certeza que muitos já tiveram que enfrentar uma birra em forma de
escândalo em público. Vamos exemplificar aqui uma família que vai ao mercado.
Primeiramente se for o caso de levar a criança, os pais precisam antes de sair de casa explicar
onde estarão indo, o porquê estarão indo e o que irão comprar. Se no momento os pais não
tem condições de oferecer nada ao filho diga antes de chegar ao mercado. Vocês podem
relembrá-lo durante o trajeto e ao chegar. “Mas meu filho esperneia, chora me faz passar
vergonha, todos ficam me olhando, preciso cumprir o combinado? SIM!!! Como dito
anteriormente a criança aprende pela experiência ela poderá associar a birra com o poder ter,
caso você dê o que ela deseja. Por isso cumpra sua palavra sempre que você prometer algo a
criança, caso contrário você não terá mais argumentos e a media em que cresce sua palavra
não terá mais credibilidade.